A Cruz Celta – Origens e Significado


            Quando se trata de símbolos, há muitas controvérsias e confusões, às vezes acusações sem base ou sem nexo... às vezes até desculpas chulas. Eu, como bom amante de polêmica, resolvi tomar esse símbolo e esclarecer, de forma clara e objetiva, suas origens e seu significado.
            Antes de qualquer coisa, você pode estar se perguntando: que coisa é essa? Bem, cruz céltica (ou cruz celta) é uma cruz com um círculo ao centro, também podendo ter as bordas internas da cruz neste círculo arredondadas.
            E os celtas, que povo é esse? Calma, vou explicar. Os celtas são um povo inicialmente pagão que viveu na saxônia, ou seja, na região do Reino Unido (Inglaterra, Escócia e irlandas). Deste povo temos lendas como a Jack O’Lantern, aquela abóborazinha engraçada que os estadunidenses confeccionam na época do Halloween.
            Bem, com os termos esclarecidos, vamos entender a história da cruz celta e seu significado?
            A cruz céltica não tem uma origem clara. Autores como Geraldo Cantarino explicam que o termo é meio difícil de explicar, tendo um pouco de confusão sobre seu início.  O que sabemos é que os celtas tinham um tipo de “cruz” circundada. Segundo alguns autores, significava os quatro elementos, aqueles que muitos filósofos gregos tanto falam: ar, terra, fogo e água. O círculo significava o sol. Como a maioria dos povos pagãos, sejam eles mesopotâmicos, gregos, egípcios, enfim..., o sol, para os celtas pagãos, era um deus.
            As cruzes celtas (cristãs) foram encontradas no Reino Unido, onde residiam os celtas anteriormente pagãos. Seu uso passou a ser um símbolo comum a partir do século IV.
As raízes dessa cruz fazem voltar à eternidade passada. Antes mesmo do homem ter caído, quebrando a relação com Deus, Deus havia planejado o evento que iria efetuar a cura dessa relação para todos os que confiam nele.
Se as raízes dessa cruz podem alcançar a eternidade passada, os efeitos dessa cruz podem se estender à eternidade futura. A missão de Cristo ao morrer era oferecer a si mesmo como o sacrifício que iria satisfazer a justiça divina pelos crimes espirituais dos seres humanos. Através de sua morte, a vida com Deus que foi perdida no Éden seria restaurada para aqueles que confiam nele. Esta vida começaria em tempo real e iria durar para sempre, transformando até mesmo a morte física em ressurreição. Ele disse, em referência à sua morte iminente por crucificação, "Assim como Moisés levantou a serpente no deserto, assim o Filho do Homem seja levantado, para que todo o que nele crer tenha a vida eterna" (João 3.14-15).
Cerca de 2000 anos atrás, em um dia real no calendário, talvez em abril de 33 d. C., a eternidade circulou a cruz do meio naquele dia.
Sabemos que os celtas foram convertidos ao cristianismo pela mensagem redentora de Cristo levada por José de Arimateia, e também por escravos fugidos por volta do ano 77 d. C., sendo criada a Igreja Celta. Devido a isso, evangélicos carismáticos, ou afins, alegam que a cruz céltica, no sentido cristão, é um símbolo pagão.
Agora fica a pergunta, qual é a simbologia da cruz celta, além da que eu disse?
1)      Essa cruz é um símbolo da eternidade, que enfatiza a vida eterna no céu para os eleitos de Deus.
2)      O amor gracioso de Deus, como mostrado através da crucificação de Cristo.
3)      O círculo é associado à ideia da Santa Ceia, pois o círculo lembra os moinhos de trigo da Escócia Antiga.
4)      A coroa de espinhos.
5)      A coroa de Cristo.
6)      A ressurreição de Cristo.
7)      Uma auréola.
8)      Uma possível versão da Chi Rho, a cruz que apareceu à Constantino em 312 d. C.
9)      Uma outra aplicação de sugestão, embora improvável, que o círculo poderia ser simplesmente um suporte estrutural  para os braços horizontais, uma vez que a cruz era feita de pedra.
Assim como a sarça ardente, é um dos grandes símbolos do presbiterianismo. É um tradicional símbolo presbiteriano, representa o nascimento, morte e ressurreição de Jesus Cristo, o plano da ação redentora de Cristo determinado pelo Pai, além da presença dEle na Igreja e o seu plano desde a Criação. O círculo dá uma ideia de continuidade, podendo ser parafraseado com o lema: "Ecclesia Reformanda semper reformata est (Igreja Reformada: sempre reformando!)".
Os celtas são um grande exemplo de espiritualidade. “O cristianismo conhecido como “celta” floresceu na Irlanda, na Escócia, no País de Gales e mesmo em partes da Inglaterra, grosso modo, do quarto ao décimo séculos. São conhecidos os nomes de missionários celtas como Patrício, Columba e Columbano, que evangelizaram o norte das Ilhas Britânicas e vastas partes do continente europeu. Mas o cristianismo celta floresceu, humanamente falando, não apenas devido ao trabalho dos missionários mais conhecidos, mas também devido ao esforço de incontáveis anônimos, pessoas sinceras em sua fé, que viviam o cristianismo com “alegria e singeleza de coração”. Foi um cristianismo que desenvolveu características próprias, que o tornavam distinto do cristianismo de inspiração romana que florescia na Europa continental no mesmo período. O cristianismo celta tinha muitas características notáveis. Entre tantas, destaca-se aqui apenas a que interessa diretamente aos propósitos desta breve reflexão: um modelo de espiritualidade centrado na criação.
Os celtas desenvolveram uma teologia que enfatizava uma visão de Deus como Senhor da criação. Ainda que não haja nada de original nesta perspectiva — os cristãos celtas não foram os inventores desta teologia —, não se pode deixar de mencionar que há diversas implicações práticas dessa visão. Uma dessas consequências é exatamente ter uma atitude constante de júbilo e regozijo na criação, que revela Deus. Como os celtas eram um povo com forte inclinação à poesia, produziram muitas poesias comoventes, louvando a Deus pela obra da criação.” Rev. Carlos Caldas (é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. Leciona na Escola Superior de Teologia e no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Universidade Presbiteriana Mackenzie em São Paulo). Revista Ultimato, Edição 294.
A cruz celta é amplamente utilizada pelas igrejas de tradição reformada, como os presbiterianos, batistas reformados e anglicanos reformados. Isso porque essas igrejas tiveram origem na Escócia. Há também uma ala da igreja romana que a utilizam, mas são casos bem remotos.
Em países europeus como Irlanda, Escócia, principalmente, e Portugal, a cruz celta é o símbolo maior da Igreja Presbiteriana, especialmente no caso deste último, e reconhecido como tal. Todavia, sua utilização não é fechada a esse continente, sendo utilizada em todo o mundo, deste os EUA, Brasil e até a África.
No Brasil, igrejas como a Igreja Presbiteriana do Brasil, Igreja Anglicana Reformada, Igreja Presbiteriana Independente e Igreja Presbiteriana Unida utilizam a cruz celta. Essas duas últimas, por exemplo, a tem em suas logomarcas oficiais.
Hoje, utilizar a cruz celta nas igrejas não é só um adorno ou uma forma de enfeitar a igreja, mas sim uma forma de mostrar sua identidade, mostrar sua herança da Reforma Protestante do século XVI. É uma forma de demonstrar a soberania de Deus, de entender seu plano e entregar nossos planos a Ele.



Referências:
CADAS, Rev. Carlos. “Voltar ao passado é progredir” — Os cristãos celtas e um modelo de espiritualidade. Revista Ultimato. Edição 294.
SEIYAKU. The Celtic Cross. Disponível em: < http://www.seiyaku.com/customs/crosses/celtic.html >. Acesso em 10 Mar. 2013.
SEIYAKU. The Chi Rho Cross. Disponível em : < http://www.seiyaku.com/customs/crosses/chi-rho.html >. Acesso em 10 Mar. 2013.
LINDE, Rev. David. The Cross and Eternity. Disponível em: < http://www.seiyaku.com/customs/crosses/readings/lenten4.html >. Acesso em 10 Mar. 2013.
Igreja Cristã Nova Vida. Símbolos. Disponível em: < http://www.icnv.com.br/icnv/pt/Simbolos.aspx >. Acesso em 10 Mar. 2013.
CANTARINO, Geraldo. Uma ilha chamada Brasil: o paraíso irlandês no passado brasileiro. Rio de Janeiro: Mauad, 2004, p. 113,114.
Igreja Presbiteriana Independente de Alfenas. Nossa História. Disponível em : < http://www.ipialfenas.com.br/nossahistoria.aspx >. Acesso em 27 Jan. 2013.
INFOESCOLA. Igreja Anglicana. Disponível em: < http://www.infoescola.com/cristianismo/igreja-anglicana/ >. Acesso em 27 Jan. 2013.
YOOARTICLES.COM. Jóias com a Cruz Celta – Significado Cultural e Espiritual. Disponível em: < http://yoo-ports.appspot.com/article/celtic-cross-jewelry-cultural-and-spiritual-meaning >. Acesso em 27 Jan. 2013.
CARDOSO, Manuel Pedro. Protestantismo Português - Oportunidade Perdida?. Disponível em: < http://www.estudos-biblicos.net/protestantismo.html >. Acesso em 27 Jan. 2013.
Walker Metalsmiths Celtic Jewelry. Celtic Cross History and Simbolism. Disponível em: < http://www.celtarts.com/celtic.htm >. Acesso em 10 Mar. 2013.
Lookout Mountain Presbyterian Church. Our Chancel Cross. Disponível em: < http://www.lmpc.org/subpage.php?pageId=477 >. Acesso em 10 Mar. 2013.

6 comentários:

  1. Um dos significados é a coroa espinhos...o amor de Deus...tudo isso antes de conhecerem Jesus...
    Eram adivinhos??????
    Quando não conhecemos a Jesus e temos práticas pagãs....a abandonamos quando decidimos seguir a Jesus...
    o problema é quando não há esse abandono....e pior...se torna símbolo da nova vida com Deus...
    que falta de referência..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Anônimo",
      Leia corretamente: "tinham um tipo de “cruz” circundada".
      Não era esta. Eles modificaram a cruz pagã que tinham pela nova cruz da cristandade, que representa o Criador e a salvação da criatura.
      Tudo bem?
      Eliete.

      Excluir
  2. Ñ sabe de nada inocente

    ResponderExcluir
  3. Cara so li merda! Aprende um pouco mais!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Lindo texto. Parabéns ao autor!

    ResponderExcluir